OBJETIVO DO BLOG

Este blog tem por objetivo orientar os pais que possuem filhos entrando ou vivenciando a adolescência. De orientar também os professores que lidam com eles diariamente,para que possam compreender suas dificuldades e ajudá-los ainda mais, pois, esta é uma fase complicada na vida dos jovens e, muitos pais e professores não sabem como agir diante de certas atitudes desses jovens. Pais e professores encontrarão aqui informações de médicos, psicólogos e teóricos sobre a educação dos adolescentes.

segunda-feira, 10 de julho de 2017

AS NOVAS TECNOLOGIAS – 4º motivo- parte III

VOCÊ SABE O QUE É CYBERBULLYING?



O Cyberbullying é uma prática constante nas redes sociais. Se observarmos o que recebemos dos amigos virtuais, todos os dias em nossas redes sociais podemos, observarmos a frequência como isso ocorre seja pelo celular ou pela Internet do computador, ficaremos estarrecidos.

Cyberbullying é toda mensagem, vídeo, comentário desagradável ou agressivo, piadinhas de mal gosto sobre uma pessoa, só porque ela é obesa, negra ou estrangeira, canta mal, fez alguma coisa que foge ao padrão normal de comportamento ou porque levou um tombo, teve um tropeço ou outro motivo qualquer, e que é jogado nas redes sociais. Com certeza, você já riu muito de algumas delas e, quem sabe até compartilhou. Pois saiba que Cyberbullying é isso.

Eu sei que você não foi porque é má pessoa. Mas porque se divertiu e quer que os seus amigos virtuais se divirtam também. É nesse tipo de “diversão” que se denigre a imagem de alguém. Você pode achar que tudo não passa de uma brincadeira sem consequências, mas na verdade, não foi.



Pensemos um pouco. Será que foi a própria pessoa, em sã consciência, quem postou aquilo que fez você rir e se divertir? E se não foi, quem poderia ter postado? E qual sua intenção da postagem? Sinto lhe informar que, normalmente não é para brincar. É para ENVERGONHAR a pessoa. Mostrar para muita gente, o quanto essa pessoa está sendo ridícula é uma forma de envergonhar, de menosprezar uma falta de habilidade ou de capacidade para determinadas funções, também é uma forma de envergonhar, de chatear, de falta de carinho e de atenção. E quanto mais compartilhamos, mais ampliamos essa vergonha. E isso não é legal.


Pense no que sente uma pessoa que, sem saber, se vê nas redes sociais dessa forma. Fica feliz? Acha tudo muito engraçado? Creio que sentira vergonha do foi exposto ali sobre sua pessoa. E o que ela pode fazer? Com quem vai reclamar? Onde fará isso? E para quem? 



Temos que ter a consciência de que a internet é um mundo virtual. Um mundo onde não existem fronteiras e nem limites. E o que postamos nela, o mundo inteiro fica sabendo. E não adianta ocultarmos uma mensagem ou exclui-la, porque o que cai na internet, fica para sempre.


Precisamos ter muito cuidado com as fotos, principalmente, com as que as jovens adolescentes postam nas redes sociais porque elas são mais vulneráveis. Nessa febre das “selfies” tiram fotos a todo momento para postá-las em seguida nas redes sociais. 

O mundo valoriza demais a beleza física, e esquece que o mais importante é a essência dos seres humanos. E os jovens adolescentes (meninos e meninas) têm aprendido e vivenciado isto cedo demais. Mas para os jovens adolescentes essa coisa de “essência” é discurso das antigas, ultrapassado, arcaico.



E continuam a tirar fotos de si mesmos e postando nas reses sociais. As meninas, tiram fotos do rosto fazendo caras e bocas e do corpo para enviá-las aos amigos virtuais ou não. Querem se admiradas por seus atributos físicos e poses sensuais e se esforçam, cada vez mais, para consegui-las. Muitas vezes, acabam indo longe demais, sem se darem conta do perigo que correm.



Os rapazes de mesma idade, por sua vez, se deliciam com as imagens postadas pelas amigas e não perdem tempo. Postam uns para os outros repetidamente. E entre eles (ou fora do grupo) sempre há os “espertos” de mau caráter e sem qualquer escrúpulo, que estão a espreita. Num clique, manipulam a foto (hoje há inúmeros aplicativos para esse fim) em sites pornográficos. E está feita a lambança.



Em poucos segundos, a foto corre o mundo. Na turma da escola risos, olhares, piadinhas, cantadas de mau gosto, gestos obscenos, cochichos com sua passagem pelos corredores. Ela percebe e estranha. E, em pouco tempo, tudo se multiplica. Até os meninos que costumam ignora-la querem ser seus amigos e tirar uma “casquinha”.


Por sua vez, a garota acha que todo esse furor é por causa de uma foto postada nas redes sociais. Se envaidece a princípio, mas as ela nem sonha sobre as proporções que as coisas tomam. E os assédios de pessoas que ela não conhece e nunca viu se multiplicam pela rede. Na rua, entre os vizinhos, o mesmo acontece. E quando se dá conta, sua reputação foi parar na lata do lixo. E então, se desespera. Sua vergonha é tanta que não tem coragem de falar, aos pais e/ou aos amigos mais chegados, o que está acontecendo. E a coisa não para por aí. Fica deprimida, adoece, melhora um pouco para adoecer novamente, porque sua essência e suas emoções estão em frangalhos. E, muitas vezes, nunca mais consegue se recuperar.



E se isto acontece com pessoas famosas do cinema e da televisão que tem por trás de si um aparato para denunciar, investigar e prender o “espertalhão”, também pode acontecer com qualquer uma jovem adolescente que não tem nada disso. E como a protagonista do filme, muitas vezes, não encontram outra saída a não ser o suicídio.  É para evitar isto que isto aconteça que escrevo sobre este tema. Falo aqui das meninas, mas também acontece muito com os rapazes.



O cyberbulling é tão perigoso e pernicioso (ou até mais) quanto o bullying,  E se um é CRIME, o outro também é, tanto para quem posta como para quem compartilha. O cyberbullying que atingem os adolescentes levam 10% deles ao suicídio. Diferente da injúria pessoal feita cara a cara, nas redes sociais, os algozes agridem sem se identificar. Escondem-se por detrás de um nome, de fotos e status falsos. A impunidade e o compartilhamento alimentam o ego dos agressores e permitem que continuem a acabar com a vida, o futuro e o desejo de viver das pessoas.


Embora as novas tecnologias permitam a descoberta e a identificação dos que praticam o cyberbullying, investigá-los, prendê-los e condená-los é mais difícil e demorado do que se imagina. Isto nos dá a sensação de desproteção e de impunidade e a eles, a certeza de que podem continuar. E enquanto se fazem leis mais protetoras, nossos jovens enfrentam a morte.


Pais, alertem seus filhos. Professores, alertem seus alunos sobre este problema. 
Cyberbullying é crime e deve ser combatido.

segunda-feira, 3 de julho de 2017

AS NOVAS TECNOLOGIAS – 4º motivo, parte II

 AS REDES SOCIAIS:benefícios e malefícios


   As redes sociais estão presentes no cotidiano de todos nós. É por meio delas que 
   trocamos ideias, fotos com amigos (da escola ou do trabalho) e parentes por meio de    aplicativos especiais para esse fim, compartilhamos vídeos, alguns interessantes e        outros nem tão interessantes assim. Alguns profissionais usam as redes sociais para    divulgarem seus trabalhos e, assim, conseguirem clientes e fregueses.

Por meio desses aplicativos a sociedade tem mudado sua forma de se comunicar e de se relacionar com as pessoas. É uma comunicação em tempo real ou em um espaço de tempo mínimo, mas que atua de forma intensa e diversificada entre várias pessoas ao mesmo tempo. É tudo muito rápido e em apenas um clique. Essa interatividade rápida, feita do computador ou pelo celular, vem atingindo outras mídias como a televisão por exemplo, onde de casa, do trabalho ou mesmo da rua pode-se enviar fotos e mensagens para parabenizar alguém ou fazer reclamações de serviços simplesmente acessando sua própria rede social. Essas fotos e mensagens são lidas em certos programas de televisão e por autoridades. Por isso, vieram para ficar e influenciar a sociedade.

As novas gerações já começam suas vidas teclando tabletes e celulares. Vivenciam um mundo rápido, instantâneo, com trocas de informações contínuas e convivendo com um elevado número de informações. Elas têm um pouco de tudo: informações e opiniões sobre tudo, fotos, dicas, receitas culinárias, propostas de namoro e de emprego. E não são apenas os jovens que vivem conectados, como alguns pensam. Esta conexão acontece com pessoas de todas as idades, incluindo-se uma grande participação de idosos.

Se tudo isto é bom, também tem seus inconvenientes. Embora intitulemos de “amigos” os participantes de nossas redes sociais, na verdade, não os conhecemos de fato assim como eles não nos conhecem de fato. A febre dessas redes exige um grande número de pessoas. E sempre há se uns 5 ou 6 pedidos de adicionamento. Por isso, precisamos ter muito cuidado com esses adicionamentos, pois não sabemos quem são essas pessoas. E, se com toda uma investigação pessoal antes de adicioná-los, ainda assim, podemos cair numa esparrela e ter sérias dores de cabeça.

As redes sociais são o meio perfeito para alguns engodos. O nome, fotos, e alguns dados pessoais que colocamos no perfil podem ser falsos. Quem vai investigar a veracidade dos dados do perfil?



Por falta de uma vigilância maior das autoridades e da polícia (que só investiga se houver denúncia), os rackers, os pedófilos, os mal-intencionados e os preconceituosos de plantão, estão sempre a espreita. E basta uma oportunidade para fazerem a festa. Por isso, com crianças e jovens nas redes sociais, é preciso ter muito cuidado e vigilância constante por parte dos pais ou responsáveis, pois não sabemos quem eles acessam ou permitem a entrada no grupo de “amigos”.


Uma outra coisa com os quais os adultos devem se preocupar é com são as fotos de família, as fotos de garotas de biquíni na praia ou piscina, fotos em poses nada discretas, fotos da intimidade de casais são as oportunidades que os mal-intencionados estão à espera para uma chantagem, um roubo ou denegrir a integridade de alguém ou para usar seus dados pessoais sabe-se lá para que.

Ah! Mas as redes sociais são seguras, aceitei os termos de privacidade, você pode estar pensando neste momento. E pergunto: Quem garante? Os diretores do Facebook? Do Orkut, Twitter ou de outras redes? Se fosse tão seguro, não nos pediriam constantemente para trocas as senhas, enviar o número de telefone, completar dados no perfil etc. Pense e reflita bastante nisto.